segunda-feira, setembro 12, 2016

Contos da JMJ Rio2013 - Cap. 06 A noite em claro no alojamento (Parte II)

Após a saída de Padre John, chega mais um padre. Já eram por volta das 4 da manhã. O Padre era das Filipinas (!) e pediu para sentar numa cadeira enquanto as horas passavam. Disse a ele que podería ligar para a casa que ele estava hospedado ou arrumava um espaço no alojamento para ele dormir. Ele disse que ficava satisfeito com a cadeira ali no Pátio. Insisti. Ele também.

Para quem não se lembra, os dias e noites da JMJ eram bem frios. O Recreio é um bairro mais frio ainda. O Padre Filipino fez questão de ficar ao relento, agasalhado lendo notícias em seu lap top. Em seu olhar eu via que era um sacrifício que ele queria fazer, por Cristo. Pensei naquele semblante sério, vindo de tão longe oferecendo cada segundo daquele desconforto a Cristo. Entendendo a postura dele me retirei e, imaginando que depois das 4 da manhã não teria mais visitantes novos, fui cochilar um pouco.

Lá embaixo todos dormiam tranquilamente. Fechei os olhos por umas duas horas e 06:30 acordei e subi novamente. Imediatamente o Padre vem falar comigo sorridente.

"Agora sim, pode ligar para minha hospedeira".

Olhei o contato dele e ri um pouco. Era uma amiga da paróquia e eu disse a ele "O senhor devia ter ligado. Ela deve estar acordada te esperando"

- Não! Sei que não. Mas pelo visto ja a conhece
- Sim! Somos amigos
- É uma senhora muito simpática.

Liguei para minha amiga Elisa dizendo que ela podia vir buscar o Padre.
- Ah!!! Mas ele passou a noite aí? Esses padres vem de longe e ficam com vergonha de falar né meu filho?
- HAHAHA é verdade Elisa! Mas pode vir busca-lo!

O Padre então me entrega um bilhete para entregar a um dos Filipinos que dorme no Alojamento.

- Estou um pouco triste. Não deveremos participar da missa. Pois temos que chegar as 15 horas no Aeroporto Santos Dumont.
- Mas Padre... a Missa acaba meio dia. Dá tempo de ir de copacabana ao Santos Dumont.
- Sim? Está me dizendo que o novo lugar é mais perto do Aeroporto?
- Sim. MUITO MAIS perto
- Jovem vc merece uma benção. Primeiro fica aqui as 4 da manhã recebendo pessoas e agora me diz que poderei ir com os Jovens a missa de envio!!! Qual seu nome?
- Gabriel, senhor...
- Ah! Só podia ser um anjo mesmo! Muito obrigado por tudo Gabriel.

Fiquei pensando em quantas pessoas que reclamam de ir a missa aos domingos... enquanto aquele padre comemorava que não ia perder a daquele domingo. Nem ele e nem os jovens dele. O dia amanhecia e bem bonito. Finalmente um pouco de sol no meio de tanta chuva.


Estava chegando as 7 horas da manhã... estava chegando a hora de acordar o pessoal do alojamento. E esse é o próximo episódio.

segunda-feira, setembro 05, 2016

Contos da JMJ Rio2013 - Cap. 05 A noite em claro no alojamento (Parte I)


Apesar de termos assumido apenas duas funções na JMJ, queríamos aproveitar o máximo possível aquela experiência. Foi quando dois grandes amigos, Caio (Sr. Marzullo nos tempos iniciais deste blog) e sua noiva Taináh nos contaram que iriam passar a noite lá na Paróquia Imaculada Conceição tomando conta do alojamento. Foi então que eu e Carol decidimos ficar junto com eles.

A paróquia tinha a função de ser, além de local de dormir para aqueles que não estavam hospedados em nenhuma casa, ponto de encontro para os que estavam hospedados pudessem encontrar seus hospedeiros e irem pra suas casas. As orientações eram sempre de não ligar para as casas após as 23h e acomodar o peregrino no alojamento. Mas como toda boa hospitalidade brasileira, ninguém queria ver seu hóspede alojado, mesmo que fossem 3 da manhã. O Alojamento abria a noite e ficava trancado a partir das 9h da manhã. 

E como o Recreio era looooooooooooooooooooooonge de todas as atividades da JMJ é claro que a galera chegava bem depois. Mesmo assim, muitas pessoas vinham buscar os jovens, assim como eu mesmo me prontifiquei a levar outras para suas casas. Ah sim! A paróquia estava hospedando uma galera do Peru, Uruguai, Argentina, Filipinas, República Tcheca e alguns outros países! Diga-se de passagem, as catequeses em Tcheco eram lá.

A madrugada ia entrando. Caio, Taináh e Carol foram dormir. Eu decidi ficar pelo pátio da Paróquia, pois volta e meia surgiam alguns jovens perdidos. 

Foi quando, por volta das 3 horas da manhã, chegaram quatro rapazes mais velhos pedindo para que eu ligasse para os hospedeiros. Fiquei meio receoso porque eram três(!!!) da manhã.

- That´s Ok! You can call! We´re Priests! From Kenya! They're Waiting for us!

Eram quatro padres do Quênia que tinham se perdido pelo transporte público da cidade! Imediatamente liguei para a casa que três deles estavam hospedados. Quando pedi o telefone ao quarto Padre, ele disse que não tinha o número da casa, que não tinha problema...

Nisso o primeiro padre me puxou e falou baixinho "Ele tem o telefone! mas está com vergonha de ligar por estar tarde!"

Expliquei a ele que eu não poderia fazer nada. Não tinhamos a lista de telefones. Mas que ia acolhe-lo no alojamento. O primeiro Padre fez aquele gesto de "fazer o quê né?"

Desci e acordei o Caio pedindo colchões para o Padre. Eis que descubro que só tinhamos alguns cobertores para acolher os peregrinos.

Subi convidando o Padre John morrendo de vergonha e pedindo mil desculpas por ter apenas cobertores para ele deitar. Ao que me surpreendi pelo olhar e gratidão do Padre que me encheu de bençãos pelo gesto. Nem sequer me deixou colocar mais de um cobertor para "ficar mais fofo". Agradeceu, me deu mais uns 20 "God Bless you" e foi se preparar pra dormir.

Subi novamente para o pátio e, pra minha surpresa, lá estava o dono da casa que o Padre estava hospedado procurando por ele. Desci para chama-lo. Ele estava ajoelhado rezando em cima do cobertor. Interrompi e disse que estavam aguardando ele para leva-lo a casa. Ele continuou a sorrir, me deu mais uma bênção e subiu junto comigo.


Uma humildade fora do comum que nunca mais esqueci. Um gesto de fé e gratidão que teve uma recompensa imediata. Pois sem ele precisar pedir, buscaram ele.

Mas aquela noite me aguardava mais um testemunho de fé que contarei no próximo episódio.

segunda-feira, agosto 15, 2016

Contos da JMJ Rio2013 - Ep.04 - A Menor Distância entre nós e um Papa!



O segundo dia de JMJ foi surpreendente. Pois era um dia onde não tinha nada planejado e nem convocado para o trabalho voluntário. Tanto é que passei meu dia trabalhando normalmente no Cecierj. 

Mas fui surpreendido ao chegar perto de casa, na Praça Saens Pena onde as ruas estavam sendo gradeadas e as pessoas se acumulando nas calçadas.

Localizando uma voluntária imediamente perguntei:

- Escuta, o que tá rolando por aqui?
- O Papa vai passar porque ele vai até o Hospital S. Francisco visitar os doentes e inaugurar uma ala Nova.
- Caramba! Agora?
- Daqui a uma hora mais ou menos. Estou tensa porque não temos voluntários suficientes pra fazer o cordão.
- CORDÃO?
- Sim. Você é Voluntário? Pode compor o cordão!
- Dá licença que vou em casa buscar minha camisa, meu crachá e minha esposa e já volto.

O Cordão de Voluntários é um grupo de pessoas que montam uma fila de isolamento pelo caminho do Papa. Caso Alguém ultrapassasse a grade, estaríamos lá pra não deixar essa pessoa passar a gente. Ficamos de costas para o Papa e de frente para as pessoas visando exatamente isso.

Busquei a Carol, encontramos nossa madrinha Cris e fomos até a conde de Bonfim para o Cordão.

Ficamos lá mais uma hora e meia., começou a chover.. foi quando relaxamos, viramos pra rua e ficamos conversando uns com os outros aguardando o sinal para voltar a postos. 

E aí de repente surge uma comitiva de carros de escolta, mais uns dois carros e, de repente um carrinho branco com o pontífice olhando pela Janela.

Institivamente eu e Carol acenamos pro Papa que respondeu nosso cumprimento e foi embora.

Alguns segundos depois eu e Carol nos viramos e nos damos conta
- Pera! A gente acenou pro Papa? Mas a gente não tinha que... tipo... ninguém avisou pra ficarmos a postos

Por alguns segundos, 2 metros e um aceno... o Papa nos cumprimentou.

E aí Definitivamente ESSE dia foi o mais próximo que chegamos de um Papa.

Não. Não tenho foto, video, nada desse momento. Apenas está guardado na memória. E assim ficará!

quarta-feira, agosto 10, 2016

"No Capricórnio...


Hoje é daqueles dias em que tenho muito a agradecer. Um ano atrás eu acordava na cama de um Hospital me preparando psicologicamente para entrar na mesa de cirurgia. Era uma segunda feira, pós dia dos pais. Eu havia dado entrada na Casa de Saúde São José na noite anterior. A noite do meu primeiro dia dos pais com a Gabi completando um ciclo de 3 meses de gestação.

Aqueles foram dias bem intensos. Poucas semanas depois que descobrimos que a Gabi estava vindo, numa manhã de julho fui fazer um exame com a certeza que seria uma mera Rotina. Mas após o exame, enquanto me preparava para voltar a sala de espera o médico responsável informa para a Carol que tinha encontrado um pequeno tumor e que, pela aparência era maligno.

Era o início de um duro golpe. Foram necessários mais alguns dias para confirmar o que o médico disse que aparentava mas era isso mesmo. Eu estava com câncer! 

Uma palavra forte, que assusta, que impacta e que, naquele momento se intensificava. Como era possível em um dia estar comemorando a alegria, o milagre da vida, e duas semanas depois receber uma notícia que remete ao fato que a vida, a qualquer segundo, a qualquer momento, pode acabar? Eu tive ao mesmo tempo que conviver com a alegria de ser pai e o medo da morte, senão com o medo de um tratamento pesado logo após.

Enquanto me preparava para a cirurgia (um mês) tentava de tudo para me alienar da situação. A maior chance era o Anima Mundi. Ia para as sessões feliz de assistir curtas animados. Mas saia chorando de me dar conta da quantidade de filmes onde o tema "Morte" e "Orfãos" eram frequentes. 

Foi aí que, num dos dias do festival, preso num engarrafamento monstro (3 horas na Ayrton Senna) eu resolvo dividir aquela dor com alguns amigos, os meus fraternos de CL, escrevi via Whatsapp enquanto o carro não andava, contei tudo que estava passando, as preparações, o medo de deixar a Carol, de não conhecer a Gabi pessoalmente.

Ali algo mudou, de repente uma tranquilidade bateu no coração. Não era a certeza de que tudo terminaria bem (bem na minha medida) mas era uma tranquilidade de encarar a realidade. Sim. Parecia que alienar seria bom, mas o que ajudou de fato foi encarar o fato! Eu tinha uma doença grave e precisava tratar. Era isso. Não adiantaria ficar pensando na expectativa do que ia ser a vida, do que ia acontecer. Tinha que encarar aquilo.

Os momentos de desespero foram diminuindo aos poucos. Tinha algumas preocupações. Por exemplo como é que a Carol estava encarando aquilo, como o nervosismo, stress, poderia estar influenciando na Gestação da Gabi, como eu iria dar as minhas aulas de agosto (sim gente! Amo demais meus alunos!).

E os momentos de encontro e conversa com as pessoas naquelas semanas antes foram bem marcantes. Nunca imaginaria virar para um amigo dos tempos da adolescência e pedir uma Unção dos Enfermos. Naquele dia confessar, comungar e receber a Unção pelas mãos do amigo Padre Leandro foi um grande presente de Deus. Dar a notícia para os familiares mais próximos também foi outro momento complicado. Eu estava desesperado para ver a reação que Graças a Deus foi surpreendentemente tranquila (pelo menos assim me pareceram). Assim como também dividir com os amigos como o Caio e a Tainah, meus queridos colegas da Faculdade, da Imaculada e Zueiros Nerds.

Mas é claro que, até esses momentos de dor, os episódios cômicos que parecem só acontecer comigo vão acontecer. Foi o caso do caminho até a mesa da cirurgia a um ano atrás. Enquanto levavam-me na maca eu olhava pro teto do hospital, aquelas luzes passando, passando, passando, eu rezava ave-marias e de repente minha cabeça é interrompida por uma voz efusiva de uma enfermeira:

- BOOOOOOOOOOM DIA SENHOR GABRIEL! SEJA BEM-VINDO AO CENTRO CIRÚRGICO!!!
Olhei pra ela e esboçando um sorriso amarelo disse com toda parcimônia
- Moça, não tem como essa frase soar simpática! Mil desculpas. NÃO TEM COMO!!!!

Ela deu uma leve risada, meio sem graça pela minha honestidade mas definitivamente não! Não era hora pra aparentar estar tudo bem.

Sem muitos detalhes, apaguei na mesa, acordei com a notícia que ia pro quarto e lá foram mais cinco dias de muitos momentos legais como a visita dos amigos, reaprender a andar, a respirar, enfim... a tudo.

Nos momentos de fisioterapia eu tinha a oportunidade de ficar no corredor do hospital olhando o Cristo redentor. Esse e os momentos de silêncio eram maravilhosos (e poucos) pois era a oportunidade que eu conseguia me ligar a Deus. Eram oportunidades raras onde pude conversar e principalmente, ouvi-Lo. Não a toa depois o Sr. Mineiro dizia que estava indo me visitar preocupado, querendo dar uma força, se surpreendeu ao entrar no quarto e dizer que meu olhar a ele que o tranquilizava. Ele dizia que eu tava muito em Paz. Era a certeza de estar amparado por Cristo e também no colo de Nossa Senhora.

A Carol, mesmo grávida foi a mais fiel companheira nesses dias. Se recusava a dormir fora. E saia muito raramente do quarto sob muita insistência pra lanchar. ("vai lá dar comida pro nosso filho" eu dizia - ainda não sabiamos se era menino ou menina).

E sozinho eu nunca fiquei. Quantas pessoas me visitaram naqueles dias:  Os meus Familiares, os familiares da Carol, Carlinhos, Mineiro, Jean, Nathy, Dani, Forti, Argento, Bezão, Letícia, Cadu, Paulinho, Paulinha, Bernardo, Kopp, Rita, Luiz Felipe, Flávio... Alguns mais de uma vez. Tinha dia que o médico que entrava pra fazer os exames de rotina teve que perguntar "Quem era o Paciênte?" de tanta gente que estava lá.

Sem contar os amigos que a distância rezavam e mandavam mensagens de apoio como o Walter, Rosângela, Adriana, Julia, Fabiano, Bruno, Natalie, Beth, Leandro, Tatiana, Valéria, Gabi, Cris, Alfredo, Dot, Afonso, Marta, Simone, Kátia, Aline, Leo Caldi, Thierry, Ana Paula, Andrea, Mahalo, Mara, Lucio, Nandinho, Poca, Brenno, Luisa, Paixão, Ana Paula (Dinga), Paty, Cadunico, Sami, Fábio, Cid, Karina, Gordeeff,  Bruno, Renata, Guilherme, Judith, Vittorio ou seja, os amigos de CL, da Imaculada, da Veiga e do Cecierj. Alguns apenas nem sabiam do que se tratava (e não sabem até agora lendo isso.). Sabiam que eu ia apenas "fazer uma cirurgia" sem saber do que se tratava. E fiquei muito feliz pelo carinho e respeito em não insistir. Pra mim bastava que rezassem e torcessem sem precisar saber de tudo.

E depois desses dias me recuperando e voltando pra casa restou aguardar as notícias. E é claro, esperar era outro tormento,mas as notícias iam vindo aos poucos, e sempre boas: Foi um tempo pra descobrir que tudo na Cirurgia foi um sucesso, mais um tempo pra descobrir que, se tivesse quimio, não ia ser pesada e por fim, praticamente 2 meses depois da cirurgia, veio a notícia que não ia ter quimio, que bastou a cirurgia e agora era acompanhar.

O tempo passou tão rápido que nem dei conta e já se tinha passado cinco meses e já estava dando aula na UVA, trabalhando no Cecierj, comemorando meus 35 anos e já ansioso pelo nascimento da Gabi.

Hoje sou grato por aqueles dias (Como Martin Valverde que mesmo sabendo que câncer não é capricórnio, foi grato) que me ensinaram a valorizar a importância de estar com quem amo, a importância de não deixar a vida apagar, de saber que a circunstância não apaga a beleza da vida, de evitar ao máximo as anestesias que não fazem sentir. E tudo isso marcou-me a um ano, quando entrei num centro cirúrgico com um Tumor e saí sem ele.

É a vida! pra ser vivida! Em seus pontos altos e baixos. Pois ja dizia o poeta...
"É melhor ser alegre que ser triste
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração 

Mas pra fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristeza
É preciso um bocado de tristeza
Senão, não se faz um samba não 

(...)
Feito essa gente que anda por aí 
Brincando com a vida
Cuidado, companheiro! 

A vida é pra valer 
E não se engane não, tem uma só 
Duas mesmo que é bom 
Ninguém vai me dizer que tem 
Sem provar muito bem provado 
Com certidão passada em cartório do céu 
E assinado embaixo: Deus 
E com firma reconhecida! 
A vida não é brincadeira, amigo 
A vida é arte do encontro"

Vinícius de Moraes - Samba da Bênção

segunda-feira, agosto 08, 2016

Contos da JMJ Rio2013 - Ep.03 - Pessoas perdidas, Maristas e um verdadeiro planeta!

Primeiro dia oficial da JMJ foi já colocando a mão na massa. Eu e Carol fomos escalados a trabalhar como "Posso Ajudar?" na praia de copacabana. Ficamos na função de meio dia às 18h.

Ja no Metrô encontramos uma série de peregrinos procurando pelas estações em Copacabana. Ja comecei os trabalhos dentro do trem mesmo. Logo em seguida encontramos os amigos para em seguida nos dividir pela praia

Descemos na estação Cardeal Arco-Verde e então...


Era impressionante e contagiante a empolgação de todos. Pessoas de diversas cidades, países, unidas pelo mesmo sentimento: encontrar a Cristo. A praia de copacabana era um encontro de várias nacionalidades. Estava um dia bem frio - 15 Graus. Por essa razão era possível ver suíços brincando na areia e mergulhando na água. Tinha uma menina do Paraguai que mergulhou no frio mesmo porque era a primeira vez que ela via o mar.


Muitas pessoas pediam informações, e teve uma menina que se perdeu do grupo. Ela foi minha cruz do dia. Explicou que estava com um grupo de pessoas da paróquia (não vou revelar nem a cidade), pediu um minutinho pra ver uma coisa e quando voltou ninguém estava mais lá. E aí foi uma reclamação atrás da outra sobre o bando de desnaturados que a tinha deixado sozinha naquela cidade. Eu tentava ligar pro responsável e ninguém atendia. Quanto mais eu ligava mais a menina falava mal.

Eu pedia calma e dizia que só ia deixar ela quando encontrasse o grupo e a cada segundo que passava eu queria mais e mais encontrar o grupo! Até que numa hora o cara atendeu. Expliquei o caso. Ele disse onde estava e eu levei ela a ele. Mas a cara dele de que não queria encontrar com ela era NOTÓRIA! (não o culpo. Porque a menina ENCHIA mesmo a paciência.) Porém Paciência é uma virtude que todo Cristão deve ter... fiz a minha parte... agora era com ele. HEHEHEHEHEHE...

Depois passeamos mais um pouco. Tiramos fotos e de repente eu vejo um grupo de alunos com o símbolo Marista. Eis que comento com a Carol.
- Olha! Maristas!
E não imaginava que minha fala daria uma reação em cadeia. Vários deles entendendo que eu era um antigo aluno marista, vieram a minha volta pularam, comemoraram. Eram alunos Maristas do México. O Irmão que acompanhava o grupo vira pra mim e pergunta:
- És Marista?
- Viva S. Champagnat - Respondi
- VIVA S. CHAMPAGNAT! - Disse o coro em volta. Claro que tiramos fotos!

E no meio de tantas bandeiras é claro que corri atrás de uma bandeira Irlandesa (Como não abraçar os Irlandeses?).
Foi o início de uma Jornada Mundial realmente. Nos dar conta que tantos povos diferentes formavam um só Povo era o maior presente daquele dia que terminou com a missa de abertura celebrada por D. Orani.
Era apenas o começo. Tinha muito mais coisas vindo por aí

quarta-feira, agosto 03, 2016

Parenthood: Cool but tiring

Aí no meio da madrugada, sua esposa acorda repentinamente, olha pra você e, lhe dando uma almofada azul diz "Segura ela um pouco pra mim enquanto durmo mais um pouquinho"
Desesperado você corre até o berço e vê que sua filha ainda está lá desde a hora que a colocou pra dormir.
Olha pra sua esposa e antes de conseguir falar qualquer coisa ela já apagou virada pro outro lado da cama.

segunda-feira, agosto 01, 2016

Contos da JMJ Rio2013 - Ep.02 - A chegada do Papa e o Samba no pé.


O Papa francisco chegou no Rio no dia 22, uma segunda-feira. Eu trabalhava próximo a um dos lugares que o papa móvel iria passar no Centro da Cidade. Combinei com a Carol que nos encontraríamos no Edificio Avenida Central.

Fui rapidinho mandar fazer uma camisa com o último quadrinho da HQ do Papa Francisco (diga-se de passagem, muitas pessoas me perguntaram onde eu tinha comprado aquela camisa. Perdi um negócio milionário...)

Nos posicionamos na Almirante Barroso e lá ficamos aguardando junto com a multidão o Papa Chegar. Não via um Papa ao Vivo desde 2007 quando São João Paulo II rodou a bengala em pleno maracanã (cara!!! eu vi um Santo canonizado rodando uma bengala a la carlitos!). Aguardamos um bom tempo (só para lembrar, foi naquele dia em que o motorista do Papa errou a entrada e ficou engarrafado no trânsito).

Foi quando de repente...

Essa filmagem não mostra metade do que foi esse momento. Eu dizia que aquilo foi o mais próximo que eu cheguei de um Papa.

Fomos pra casa e decidimos encontrar dois queridos amigos Caio (conhecido aqui antigamente como Sr. Marzullo) e sua atual noiva Taináh. Fomos ao Recreio ver a recepção dos peregrinos de fora na Imaculada Conceição...

Eis que me surpreendo com a BATERIA da UNIDOS DA TIJUCA recebendo a galera com muito samba.

É eu sei gente, eu falar de samba, de carnaval é meio raro... até porque "Carnaval de Nerd é no Bloco de notas". Mas eu tenho curtido muito a Unidos da Tijuca... e fiquei bem surpreso de ser justamente essa a bateria recepcionando os peregrinos. A notícia foi tão surpreendente que meu Celular arriou a bateria.

Ali imaginei que seria bem surpreendido nos dias subsequentes... (e não estava errado). Mas é papo para outro post.

segunda-feira, julho 25, 2016

Contos da JMJ Rio 2013 (1) - Quadrinhos, renúncias históricas e "Be more Dog"


Aproveitando os ensejos da Nova Jornada Mundial da Juventude pensei sobre a importância de deixar aqui registrada algumas das histórias vividas em 2013. Serão alguns posts daquilo que me marcou desde a preparação até os dias da jornada em si. Algumas histórias serão apenas divertidas, outras pequenos testemunhos que realmente transformaram a vida.

A Primeira delas foi para a preparação da JMJ. Fui convidado pelo amigo, hoje Padre, Leandro Lenin (lembram do Sr. lenin? tão citado nesse blog no passado?), para participar da equipe de preparação Pastoral. Uma equipe que tinha como objetivo preparar os peregrinos de forma mais missionaria e evangelizadora.

Foi numa dessas que propus a coordenação da equipe de criar uma HQ contando a história e a importância da proposta da JMJ a todos aqueles que se envolvem com ela (baseada na proposta feita na JMJ de Madrid que teve um pequeno Mangá sobre Bento XVI). Ideia aprovada, agora tínha a missão de tornar possível e executável essa história.

Nesse momento descobri que um colega de trabalho muito querido, chamado Sami Souza era católico. Conversamos apenas alguns minutos no saguão do elevador do trabalho e bastou esse tempo para perceber que aquela parceria ia dar muito certo. Com todo cuidado ia escrevendo o roteiro e Sami ia rascunhando e desenhando concepts de personagens e do Papa Bento e João Paulo II.

Trabalhamos com muito cuidado e carinho e no dia 10 de fevereiro de 2013 a HQ "A JMJ é no Rio: Uma breve história sobre a JMJ Rio 2013" era anunciada e divulgada no site. Posso dizer que este é meu primeiro trabalho internacional já que ele foi traduzido para 7 outros idiomas. Eu e Sami estávamos cansados mas felizes pelo trabalho feito.

Mas aí meus amigos... Foi nesse momento que o trecho "Meu cansaço que a outros descanse" da clássica música "A Barca" me veio a mente. Dois dias depois da divulgação da HQ, a Carol me acorda com a frase: "GABRIEL!!! O PAPA RENUNCIOU"

Eu levantei gritando O QUÊ? E sai na direção da Janela para ver as naves alienígenas destruindo o planeta Terra (seria pra mim uma explicação plausivel para uma renúncia)... como assim um Papa Renunciar? Por que? Como? Ele não pode fazer isso!!! Não!

E então... na TV só vi sua santidade se retirando da sala, tranquilo, em paz, com os cardeias estupefatos tanto quanto eu. Então... parecia que ele poderia fazer isso sim!

Aos poucos me recuperando do susto me veio na cabeça.. MEU DEUS!!! A HQ!!! Ela terminava com o Papa Bento se preparando para vir ao Rio... NÃO VAI SER ELE!!!!!

Liguei para o Sami que risonhamente atendeu falando

- Imaginei que vc ia me ligar... pois é... e aí?
- E aí? não sei... fazer outra?
- Sério? OUTRA? AGORA?

Sim amigos... tivemos UM ANO pra desenhar a primeira HQ, revisar, traduzir, enfim... tudo. Agora tínhamos menos de 4 meses pra escrever sobre o novo Papa (que só seria eleito SEMANAS depois) que viria para a JMJ.

Com a mesma aprovação dos Padres, decidimos criar uma HQ focando a história na renúncia e no conclave. Isso nos dava tempo para já ir desenhando e criando algo enquanto o novo Papa era eleito. Convidei mais 4 alunos da Faculdade para ajudarem e dar tempo de fazer tudo até a JMJ.

Com a eleição de Francisco veio a ideia de colocar um personagem argentino, estudante de intercâmbio colega do protagonista. E com essa ideia dois veio a inspiração para dar os nomes aos personagens: Assim o Protagonista da primeira HQ passou a se chamar Edson e o seu amigo argentino, Diego. Ambos vivenciando a eleição do novo Papa e a preparação para a chegada dele na JMJ Rio 2013.

Fato que, pra variar, eu e Sami corremos pra conseguir fazer tudo a tempo (essa corrida rendeu uma reportagem ao site de notícias do TERRA). Nunca esqueci da última noite onde eu estava diagramando as últimas páginas e Sami as colorizando... Ele colorizava e me enviava a página e eu ia colocando os Balões e as falas no arquivo final. Até que de repente as 3 da manhã eu parei de receber os arquivos... ligava pro Sami e... fora da área... chamava ele no Face e nada...

Do outro lado da cidade, em Santa Cruz, o quadrinista tinha se entregado a exaustão e apagou diante do seu laptop e com seu filho no colo também dormindo. E é claro, pra aumentar a dramaticidade da situação... Era a última página e o papa chegaria em DOIS DIAS!

Eu estava sem computador em casa e por isso tinha ido até a casa de minha mãe... Carol ja tinha desmaiado na cama enquanto eu estava desesperado tentando descobrir o que tinha acontecido. Até que, por um milagre (Segundo Sami, o celular caiu do lugar onde estava "entrando na área de cobertura") Sami atende.

- Cara... eu apaguei... Preciso secar o teclaro que ta babado...
(Acho que até criei ofensas novas de tanto palavrão que falei naquele dia.)

Resultado... por volta das 5:30 da manhã recebo a última página

Mais meia hora fechei o arquivo e nesse momento me surpreendo ao constatar que as 6 da manhã Padre Leandro já estava online.

- E aí meu amigo, caiu da cama?
- Se eu tivesse uma cama pra deitar meu amigo... estou virado aqui no COL
- Caramba rapaz... faz parte né?
- Ô...
- Cara... vc precisa estar mais animado... "Be More Dog"
- HEIN???

Mando esse vídeo como resposta

- Cara!!! Que legal!!! Ta todo mundo aqui rindo.
- Missão 1 cumprida! Fazendo a galera rir em meio ao cansaço. Agora vamos a missão 2.
- Qual?

(Envio a nova HQ como resposta)

- CARA!!! FICOU MUITO LEGAL!!! OBRIGADO! VAMOS POSTAR IMEDIATAMENTE!

E assim, no SÁBADO antes da chegada do Papa ao Rio de Janeiro a HQ "Bem-vindo: Uma nova breve história sobre a JMJ Rio2013" foi ao ar.

E assim, pude, pouco antes da chegada de sua santidade, dormir um pouco depois de uma pré-Jornada de alguns meses corridos! Um belo trabalho em parceria com o Sami com a ajuda os queridos alunos e amigos Fred, Dani, Patrícia e Tharcíla!

Imaginem só o que veio por aí depois dessa pré-jornada... continuem por aqui

terça-feira, março 29, 2016

Cecierj em greve: porque Aderi






Mais um mês e a notícia que o salário dos Servidores será dividido em 2 vezes... Criminosamente dias 14 e 28. Eles ainda devem mais uma parcela do 13o. Salario.

Não. Aqui não é Crise, não é Barril de Petróleo. É incompetência, é má gestão.

Estou terminando minhas férias da fundação Cecierj. Mas não tenho como negar, é greve sim!

Não tenho as convicções sindicais comuns a este tipo de movimento. Mas eu não entro na luta por um salário maior ou os benefícios comuns o que já é por si só uma luta justa.

Mas porra, trabalhar e não receber é que não dá. Não existe compreensão por parte dos meus cobradores. Se a PM me parar e meu IPVA estiver vencido também não haverá compreensão.

Trata-se de respeito. Cancela essas olimpíadas, cancela as isenções abusivas, PARE DE ROUBAR. Respeite o servidor.

Seja pezão, seja dornelles. Tratem de resolver as incompetências do PMDB sem nos atingir.

Espero que vc se cure Pezão. Mas me pergunto quantos colegas estão apreensivos aguardando uma cirurgia ou um tratamento sem saber quando, por sua culpa, poderão pagar?

Compreenda que Compreensão é o KCT
 

quinta-feira, março 17, 2016

Em meio a loucura que vivemos, feliz Dia de São Patrício



Hoje é dia de São Patrício. Padroeiro da Irlanda

Todos os anos comemoro junto com os amigos à moda irlandesa, ou seja, enchendo a cara maravilhosamente

Este ano vivencio pela primeira vez a paternidade, o que me impede de fazer o de sempre,  e além disso o Brasil mergulha numa loucura gigantesca com a atual crise política e uma gigantesca polarização nas redes sociais.

Além de ser entusiasta da cultura irlandesa, sou católico e por isso me veio a reflexão:

São Patrício quando jovem foi sequestrado pelo povo irlandês e escravizado. Trabalhava como pastor diante daqueles que o forçavam a viver naquelas condições e viviam o paganismo
Conseguiu fugir para a França onde se tornou um Padre Missionário e aceitou voltar para a Irlanda para falar de Jesus

Imaginem-se no lugar dele em querer voltar para aqueles que tiraram a liberdade. Quais lembranças ele recordou em seu caminho no retorno à Irlanda

Nada explica tal decisão a não ser a experiência de misericórdia e o desejo de mostrar aquelas pessoas a beleza do Rosto de Cristo.

E assim o cara converteu um país Inteiro.

Vivo hoje um Brasil que busca massacrar minha esperança, e vejo muitos amigos perdendo a esperança, se agarrando a esquemas para pensar em saídas ou soluções mirabolantes, e outros amigos seguindo uma espécie de paganismo com o messianismo petista. Não é apenas uma postura ideologica. É um seguir no cara como se fosse um arauto da ética, da perfeição: Sem chances de ser um cara que erra, que perde, que pode vacilar, ou seja... simplesmente um ser humano

Penso em me indignar sim com o que acontece mas ao mesmo tempo gostaria de abraçar a todos que vivem declarar-se de qualquer um dos lados nessa guerra. Olhar com a Misericordia que Deus tem do nosso nada e mostrar-lhes o rosto de Cristo

Deu Certo com Patrício, pode dar certo conosco que cremos em Jesus. Sem forçar, sem bater, sem brigar, apenas mostrando a beleza de Cristo.

Rezemos para ter esse coração queridos. Aprender que mesmo em tempos de escravidão, de desespero, Cristo está a nossa volta como uma couraça nos protegendo e é ele que nos corresponde de verdade

Como rezou São Patrício em sua couraça:

Cristo comigo,
Cristo em minha frente,
Cristo atrás de mim,
Cristo em mim,
Cristo abaixo de mim,
Cristo sobre mim,
Cristo à minha direita,
Cristo à minha esquerda,
Cristo quando me deito,
Cristo quando me sento,
Cristo quando me levanto,
Cristo no coração de cada um que pensa em mim,
Cristo na boca de cada um que fala de mim,
Cristo em todo olho que me vê,
Cristo em todo ouvido que me ouve.

Amém!

E é claro que o dia de hoje pedirá uma Guiness sem dúvida!

Beannachtaí na Féile Pádraig dhuit!